Um novo estudo descobriu que a ausência pode realmente tornar o coração mais afetuoso e que os casais que vivem separados têm interações mais significativas e laços mais fortes do que aqueles que se veem todos os dias.

Relacionamentos - Dra Georgia Machado. Clinica de Cirurgia Plástica e Estética em Fortaleza.

No novo estudo, os casais em relacionamentos de longa distância, mantidos por ligações telefônicas, mensagens de texto, e-mails e conversas em vídeo, também estavam mais propensos a idealizar comportamentos de seus parceiros, levando a uma maior sensação de intimidade.

Pesquisadores da Universidade Cidade de Hong Kong e da Universidade de Cornell recrutaram 63 casais heterossexuais, cerca de metade deles disseram que estavam em relacionamentos de longa distância. A ideia era conhecer a comunicação típica entre eles.

Em média, os indivíduos tinham um pouco menos de 21 anos, estavam em seus relacionamentos por quase dois anos e vivendo longes um dos outros há 17 meses. Ao longo de uma semana, eles relataram até que ponto compartilhavam sobre si mesmos e como experimentavam a intimidade e em que medida os seus parceiros faziam a mesma coisa. Os resultados mostraram que os casais de longa distância afirmaram que sentem um vínculo mais estreito.

“Na verdade, nossa cultura enfatiza estar juntos fisicamente e frequente contato olho no olho para relacionamentos íntimos, mas as relações de longa distância estão claramente contra todos esses valores”, disse a co-autora Crystal Jiang. “As pessoas não têm que ser tão pessimistas sobre o romance de longa distância.”

“Os casais de longa distância se esforçam mais do que os casais geograficamente próximos, em comunicação, afeto e intimidade, e seus esforços são retribuídos.”

Os resultados da pesquisa aparecem online no Journal of Communication.

Acesse a biblioteca online para saber mais (em inglês)
http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/jcom.12029/abstract;jsessionid=3770EB4D73E

Espaço Georgia Machado
Love-se

Relaxnews

Responda