Para que as crianças que lutam contra os quilinhos a mais tenham uma ajuda mais eficiente na hora de perder peso, um novo estudo sugere mudar as rotinas da casa, com poucas estratégias simples.

Mudar-a-rotina-da-família-ajuda-as-crianças-a-perder-peso Dra Georgia Machado Cirurgia Plástica em Fortaleza

Em um novo estudo publicado online ontem no periódico “JAMA Pediatrics”, pesquisadores dos EUA e do Canadá implementaram uma intervenção com base nas rotinas das casas de algumas famílias, para ajudar crianças e jovens a perder peso, ao reduzir o tempo de TV, aumentar o período de sono e incentivar as famílias a jantar com todos juntos na mesa, relata o site LiveScience.

Enquanto a obesidade infantil está se tornando cada vez mais presente ao redor do mundo, os EUA, especificamente, tem uma árdua batalha pela frente: 17% das crianças americanas são obesas, a situação é mais alarmante entre grupos minoritários e famílias de baixa renda, acrescentou o relatório. E isso pode muito bem se tornar comum em outras partes do planeta também.

Uma solução? A mudança holística de estilo de vida, Aaron Carroll sugeriu ao LiveSciense, ele é especialista em obesidade infantil e escreveu um editorial sobre o estudo.

“Em vez de apostar em uma mudança de alimentação ou exercícios específicos, criar uma família saudável pode ser um jeito melhor, não só para melhorar o peso, mas em geral a saúde física e mental também,” ele escreveu no editorial.

No estudo, os pesquisadores da Escola de Medicina de Harvard e da Universidade de Guelph em Ontário, inscreveram 121 famílias com crianças que tinham excesso de peso em um estudo de seis meses, dessas, 59 famílias foram colocadas em um grupo de controle. Antes do estudo, todas as crianças dormiam em um quarto com uma televisão.

No grupo de intervenção, as famílias receberam em casa aconselhamento sobre hábitos saudáveis e as crianças aumentaram seu seu tempo de sono em uma hora e meia por dia, reduzindo o período que passavam na frente da televisão para uma hora por dia. Assim, eles reduziram seu índice de massa corporal (IMC) por 20%.

As crianças do grupo de controle aumentaram seu IMC em 20%.

Em um estudo à parte feito em 2012 pelo Centro de Pesquisa Biomédica Pennington, em Louisiana, os pesquisadores descobriram que as televisões nos quartos podem levar as crianças a terem maior risco de obesidade. Um estudo de 2011, também feito separadamente, no periódico Pediatric Obesity mostrou que os dispositivos eletrônicos, como televisores, computadores e telefones celulares, em quartos infantis estão relacionados tanto ao sono quanto à obesidade.

Acesse o novo estudo (em inglês)
http://archpedi.jamanetwork.com/article.aspx?articleid=1735654

Espaço Georgia Machado

Dra Georgia Machadocirurgiã plástica em Fortaleza, Diretora Técnica do Espaço Georgia Machado

Fonte: Relaxnews

Responda